O CONGRESSO

CPIs


De forma pouco, modesto,
Ao contrário bem viril,
Quero mostrar meu protesto
A capital do Brasil.

Não a cidade majestosa
Que JK edificou.
Mas a coisa vergonhosa
Que aquilo se transformou.

Na verdade a minha crítica
Com estes meus versos críticos,
Não é a cidade, nem a política,
Mas aos corruptos políticos.

Da esperança de um povo
Que clama: ordem e progresso.
Em grande covil de lobos,
Tornou-se nosso Congresso.

CPI pra todo lado.
Pra tudo tem comissão.
É CPI do Banestado,
CPI do Mensalão.

Parece ataque de pulgas,
Nada satisfaz a ganância,
CPI das Sanguessugas,
CPI das Ambulâncias.

Tem a CPI dos Bingos,
E do Apagão Aéreo.
Só escrevendo me vingo,
Mas ninguém me leva a sério.

Na arena de gigantes
CPI virou tormento.
Fizeram até CPI
Dos anões do orçamento.

Eu vou parar de escrever,
Antes que chegue ao Congresso,
Se não vão querer fazer
A CPI dos meus versos
.

Francis Gomes

Postagens mais visitadas deste blog

[A BORBOLETA DE UMA ASA SÓ.].

Resenha sobre Monteiro Lobato