31 maio, 2005

Pavio da Cultura!!!

Pavio da Cultura - Sarau Literário
Especial namorados e entrega do título DESTAQUE LITERÁRIO DE SUZANO, ao escritor e jornalista Paulo Maurício

Literatura – Teatro – Cinema – Música

Recitais e muito mais...

Dia 11 de junho, às 20h, no Centro Cultural Francisco Carlos Moriconi.

Rua Benjamin Constant, nº 682 – Centro – Suzano.
Apoio: Projeto Cultural Literatura no Brasil

Realização: Prefeitura de Suzano
Secretaria Municipal de Cultura


30 maio, 2005

Novo texto.

Só Queria Uma Boneca
Por: Elidiane Costa, diretamente da Bahia

Pensando que ainda era criança, esperando ao colo uma boneca de cabelos lisos, vestido estampado, imaginando dar-lhe movimentos e levá-la para passear, não a pude receber naquela cama da maternidade.Não a boneca com que tanto sonhava.Não era aquela da vitrine, à mostra na loja de brinquedos.O presente de aniversário recebido das mãos da enfermeira tinha movimentos próprios, e ao invés do vestido estampado, possuía apenas um lençol enrolado ao corpo.Chorava!Ora! Bonecas não choram.Melhor, somente aquelas que possuem pilhas e chupeta, ou até alguma parte sensível do seu corpo facilitando seu choro.Quase não tinha cabelos, os olhinhos fechados, ao contrário das mãos que buscavam agarrar algo, parecia buscar a segurança não existente aqui fora.Era irreal, afinal aquele cenário não possuía nenhuma semelhança com uma maternidade encenada, daquelas que costumava levar a Ana, a Joaninha para terem seus bebês.Olhando ao redor, também não havia o Renato, o Paulo, os pais dos filhos das duas.Não havia o pai da minha filha.Eu não tinha uma filha, não queria tê-la, não naquele momento, naquela situação.Queria a minha boneca, aquela de cabelos lisos e vestido bordado, sem movimentos reais. Não queria possuir aquela de poucos cabelos envolvida por um lençol e buscando o suporte do qual necessitava.O que tinha sido feito da minha vida?Onde estavam meus pais, meus amigos, parentes, alguém, qualquer pessoa que pudesse dizer:“É mentira, você só tem uma boneca”.Mas o tempo passava, a enfermeira já havia levado o bebê para o berçário e o que tinha ficado na memória ia de encontro com uma lembrança, aqueles dias de sol, quando ia brincar no parque, pipoca, sorvete...A vida era uma brincadeira, sem medos, sem responsabilidades, sem realidade.Após dois dias, ainda pela manhã fui acordada pela enfermeira, a notícia inevitável não me trouxe alívio e sim uma preocupação ainda maior, o médico havia me dado alta, era a hora de retirar-me da maternidade e voltar para o meu mundo injusto, não tinha mais casa, nem parentes, meus pais haviam me expulsado do meu lar.Voltei para a rua, o meu lugar. Minha cama agora era simples jornais, eu tinha um cobertor e algumas mantas que havia ganhado da enfermeira.Tinha que viver agora por mim e por ela, era de certa forma uma criança tendo que criar outra criança, sem conforto, dignidade, esperança.A partir daquele momento passei a perceber o que existia atrás dos olhos, atrás da face, o que queria dizer o outro lado da espada e em que eu precisava me agarrar para conseguir sobreviver.Eu e minha filha éramos meninas de rua, vivíamos, dormíamos em qualquer ponto dela.Ela iria crescer e conhecer sua história, saberia quem era sua mãe e não teria motivos para orgulhar-se dela, saberia que a teria trocado por qualquer boneca e tudo isso só para continuar com a minha vidinha, escola, casa, parque, sorveteria, mamãe, papai e um dia um casamento perfeito com um marido exemplar, que estaria comigo em qualquer situação.Mas, também saberia o que havia descoberto sobre o que há atrás dos olhos, atrás da face, o que quer dizer o outro lado da espada.Quase sem querer, esta era a minha realidade: Eu tinha uma filha.

28 maio, 2005

Graduado em Marginalidade!

Preparem-se...

Dia 05 de agosto é o lançamento oficial do livro do escritor Sacolinha.
Graduado em Marginalidade é um romance contemporâneo. Obra de 28 capítulos, 168 páginas e 311 personagens.
Terá a participação de Fernando Bonassi Alessandro Buzo, Sérgio Vaz, Ferréz, Juan Perone (Escritor Cubano) e do Instrutor técnico literário e dentista formado pela USP, Bruno Capozolli.
A primeira edição não será comercializada em livrarias. Haverá vários lançamentos, entre eles: Suzano – Alto Tietê, Piraporinha - Zona Sul, Assembléia Legislativa – Ibirapuera, Cambuí – Minas Gerais, Salvador – Bahia e muitos locais á confirmar. As vendas também serão feitas via correio e através do projeto cultural Literatura no Brasil.


O lançamento em Suzano será sexta-feira dia 05 de agosto ás 20h:00 no Centro Cultural Francisco Carlos Moriconi. Rua Benjamin Constant, 682 – Centro de Suzano – S.P.
E como notícia boa não pode esperar, nós precisávamos repartir isso com você hoje mesmo.
Aguardem mais novidades.

Confira algumas falas das editoras que se interessaram na obra:

- Alô, oi Sacolinha, aqui é fulano da editora tal. Estou ligando pra dizer que gostamos muito do seu livro e iremos editá-lo. Mas ao invés de pagarmos os 10% habituais como fazemos com todo escritor, iremos pagar somente 4%...

- Então senhor Ademiro, sua obra é ótima, mas o problema está no seu nome. Teremos que fazer uma divulgação diferente da que sempre fazemos, pois seu nome ainda não é conhecido nacionalmente. Mas infelizmente não temos esta estrutura.

- Bom, Senhor Ademiro Alves. Eu marquei essa reunião porque a proprietária desta editora adorou seu livro e quer lhe fazer uma proposta. A proposta coincide na venda de todos os seus direitos autorais em cima da sua obra. A intenção é lançá-la com o nome de um autor que já é conhecido...


Trecho de uma carta:

“Saudações senhor escritor Ademiro Alves (Sacolinha). Viemos salientar o nosso interesse pelo seu romance Graduado em Marginalidade que se encaixou perfeitamente no catálogo desta editora. Quero me desculpar pela demora na análise. É que recebemos dezenas de originais toda semana.
Ressalto que é uma obra bem elaborada e entra no padrão de inovação ao qual a literatura atual está precisando. Este trabalho requer uma boa divulgação e com uma primeira edição de no mínimo 5.000 exemplares. Eu digo isto como profissional que atua há 11 anos no ramo da literatura.
Além de tudo isso eu mesmo quis lhe escrever para dizer que fui processado por três escritores e perdi a causa, tendo que pagar uma grande quantia aos escritores e advogados. Sendo assim digo ao senhor que há um grande interesse por minha parte em lançar o seu livro, mas lhe peço que aguarde até dezembro deste ano, onde terei estrutura suficiente para lançar esta magnífica obra...”

26 maio, 2005

L.B

Texto enviado pelo poeta Everaldo Ferreira, morador de Suzano.

Leitura

Inspiração

Transparência

Estilo

Respeito


Amizade

Trabalho

União

Realidade

Amor

Naturalidade

Organização

Beleza

Resposta

Atitude

Simplicidade

Inovação

Liberdade.

Everaldo Ferreira de Souza Lima.
evesuzano@bol.com.br

25 maio, 2005

Notícias!!!

AGORA É QUENTE!!!

LANÇAMENTO DO LIVRO DO ESCRITOR SACOLINHA...

EM AGOSTO.

AGUARDEM MAIS NOVIDADES.


Início do capítulo 26 “Graduado em Marginalidade”

O ano de 2.001 chegou. O ano que passou entrou para a história. As pessoas que nem sequer sonhavam em ter telefones em suas residências, foram beneficiadas pelo projeto do governo. Logo na seqüência vieram os celulares que hoje é igual bunda. Em seguida os computadores se tornaram populares, mesmo quem não possui um em casa, pode ir à casa do amigo ou em alguma ong que encontra. As casas de aluguéis aos poucos são trocadas por casas próprias. Devido aos variados tipos de financiamentos e empréstimos, os carros estão tomando os lugares das bicicletas na periferia. E para completar o pacote, muitos tabus que rondavam o assunto “sexo”, foram derrubados. Tudo isso se iniciou no ano 2.000, fim do século XX. Mas esse ano também entrará para a história, não da humanidade, mas sim para os moradores da Vila Clementina.


SARAU DA COOPERIFA APRESENTA: CPI DA POESIA

O SARAU DA COOPERIFA, QUE ACONTECE TODAS ÀS QUARTAS-FEIRAS, VAI PROMOVER A CPI DA POESIA, NESTA VÉSPERA DE FERIADO. OS POETAS SERÃO JULGADOS POR SONEGAR PROSA, SONETOS, CORDEIS E POESIAS À COMUNIDADE. PARA O JULGAMENTO TEREMOS A PRESENÇA DO ILMO SR. WALMIR PINTO, SECRETÁRIO DE CULTURA DA CIDADE DE SUZANO, SACOLINHA, ESCRITOR E TAMBÉM DA CIDADE DE SUZANO, ALESSANDRO BUZO, ESCRITOR E MORADOR DO ITAIM PAULISTA Z/LESTE E TODA COMUNIDADE, QUE NÃO AGUENTA MAIS TANTA CORRUPÇÃO (ROUBO) NESTE PAÍS.
DIA 25.05 ÀS 20H30 FÓRUM DO ZÉ BATIDÃO - RUA BARTOLOMEU DOS SANTOS, 797 JD. GUARUJÁ
REF: ESTR. DO M´BOI MIRIM ATÉ IGREJA DE PIRAPORINHA (ÀDIREITA)

EXTRATERRESTRES (P/ARRELIA)

A PRIMEIRA VEZ QUE VI, UM ET, AINDA ERA GAROTO, FUI CONVIDADO POR OUTROS , PARA VER AQUELA NAVE ESPACIAL COBERTA DE LONA, QUE ACABARA DE POUSAR NO BAIRRO. NUNCA TÍNHAMOS VISTO NADA TÃO GRANDE. DEVIA TER CHEGADO À NOITE. AS CRIANÇAS FORAM TODAS HIPNOTIZADAS POR ALGUM TIPO DE ENERGIA, POIS, APESAR DA POBREZA, TODAS BRILHAVAM E CAMINHAVAM LENTAMENTE EM SUA DIREÇÃO. O TRANSE ERA TANTO QUE ALGUMAS NEM ESPERAVAM A SUA HORA, PASSAVAM POR BAIXO. OUTRAS, JÁ ESCRAVIZADAS, VENDIAM PRODUTOS DE OUTRAS GALÁXIAS (CHOCOLATE, PIPOCA, SORVETES E AMENDOINS). LÁ DENTRO JÁ ESTAVAM TODOS DOMINADOS, INCLUSIVE OS ADULTOS, QUE ATINGIDOS POR UMA ESPÉCIE DE RAIO-LASER, VOLTARAM NO TEMPO, E HISTERICAMENTE, ATRAVÉS DE RISOS LARGOS, TENTAVAM SE MANTER NO PASSADO. FOI QUANDO AQUELA CRIATURA, DEVIA SER O LÍDER, ENTROU COM UMA ROUPA ESQUISITA E A CARA TODA COLORIDA, UM NARIZ VERMELHO E ENORMES SAPATOS PRETOS, TALVEZ POR CAUSA DA GRAVIDADE OU PARA SE EQUILIBRAR,DISSE: "COMO VAI GAROTADAAAA?". DIANTE DA RESPOSTA AFIRMATIVA, INVADIU NOSSOS CORAÇÕES E NOS OBRIGOU A SER FELIZ, E, NESTE TRANSE PROFUNDO E COLETIVO, MUITOS FORAM LEVADOS À VIA-LÁCTEA E OUTROS PLANETAS DO SISTEMA SOLAR. POUCOS DOS QUE ESTAVAM LÁ LEMBRAM DESSE DIA, A MAIORIA DESPERTOU LOGO NA SAÍDA, POR CONTA DISSO, MINHA POESIA É TIDA COMO MENTIROSA.

SÉRGIO VAZ

24 maio, 2005

Pavio da Cultura.

O primeiro evento "Pavio da Cultura", (Sarau Cultural), foi ótimo por se tratar de literatura, ser sábado e estar chovendo. Dezenas de pessoas se aglomeraram no Centro Cultural de Suzano para participarem do evento.
Já foi acertado que esse evento intitulado Pavio da Cultura será feito todo segundo sábado de cada mês. O próximo será no dia 11 de junho.
Inscrições para quem quiser participar com algum trabalho: 47591949 - Falar com Sacolinha.

19 maio, 2005

Articulação em movimento!

Vem aí entrevistas mais que surpreendentes, com escritores e poetas que não dão o braço à torcer. Aguardem!

Grupo de literatura e fanzine, “Rastilho”.
Reuniões todas ás terças-feiras ás 19h:00 no Espaço cultural APAC.
Rua Augusta Carvalho de Morais, 50 – Centro de Suzano – S.P
Informações: 91335960 /
lygiacanelas@yahoo.com.br

(APROFAT) Associação dos Professores de Filosofia do Alto Tietê.
Filosofia sem café. Todo último domingo de cada mês, ás 16h:00
Onde: Espaço Cultural APAC.
Rua Augusta Carvalho de Morais, 50 – Centro de Suzano – S.P

Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Sócio Cultural Negro Sim.
Reuniões todo terceiro sábado do mês, ás 16h:00
Local: Sindicato da Construção Civil – Rua Campos Sales, 165 – Centro de Suzano – S.P
Informações: 83252368 /
cpdnegrosim@hotmail.com

Sarau da Cooperifa.
Toda quarta-feira, ás 21h:00 no Bar do Zé Batidão.
Piraporinha – Zona Sul – S.P
Informações: 41397548

18 maio, 2005

Divulgação!

Escritores e Poetas!

Não deixem de enviar os seus trabalhos para serem colocados na Exposição Literária em Suzano. Os textos ficaram expostos no hall de entrada do Centro de Educação e Cultura Francisco Carlos Moriconi do dia 21 até o dia 27 de maio.

Portas abertas

O projeto cultural Literatura no Brasil, está aceitando textos para serem divulgados na “Sexta Fase” do projeto, que será lançada no começo de agosto de 2005.Todo texto que o projeto recebe, é analisado por uma comissão literária e se aprovado for, será trabalhado durante quatro meses (Uma fase).Debates, palestras, rádios comunitárias, exposições, eventos, feiras literárias, saraus, encontros sociais, e Internet, são os ambientes onde o Literatura no Brasil divulga os textos.Áqueles que trabalham com literatura, ou seguem a carreira de escritor, não percam essa oportunidade, são mais de 1.280 leitores de todo o Brasil, cadastrados com o projeto.
Á direção.

17 maio, 2005

Comente...

Agora você pode comentar qualquer texto diretamente nesta página, ou também pode enviar qualquer texto para um amigo. Veja como: Para comentar clique no link "coments" depois "post a coments" e deixe seu comentário.Para enviar qualquer texto publicado aqui, clique no link do desenho de um envelope e siga as instruções. É tudo rápido e fácil. Qualquer texto enviado através deste site tem que conter o nome da fonte.

Próximo evento!

Pavio da Cultura

Sarau Cultural e 1ª Exposição Literária de Suzano

Música – Literatura – Teatro – Exposição

Cia 5 de teatro, Contadores de Mentira, Diogo (MPB)
Recitais e muito mais...

Dia 21 de maio, às 19h00, no Centro Cultural Francisco Carlos Moriconi.


OBS* A exposição literária estará aberta ao público do dia 21 a 27 de maio no hall de entrada do Centro Cultural Francisco Carlos Moriconi (Rua Benjamin Constant, nº 682 – Centro – Suzano).


APOIO: Projeto Cultural Literatura no Brasil

16 maio, 2005

Negra Literatura!

A noite te convida pra dançar
(Por Sacolinha)

África mãe, Brasil filho
O leite do mundo habitou as suas tetas
Mamilos perfeitos acalentados de açoite.
Seu ventre, sempre foi livre
Gerando toda a história desse universo mal agradecido
Se ser mãe é dádiva de Deus
Então a África é o berçário onde Ele nasceu.
Suas crianças, dotadas de grande picardia
Lançaram ao mundo variadas culturas.
A noite recente, traz o eco da trilha sonora daquele tempo
Tambores confeccionados pelas mãos arquitetas do mundo.
Metralhadoras, fuzis e armas químicas
Deitarão no seu colo para dividir o espaço com as rosas vermelhas.
Os amores não correspondidos, se contentaram ao seu lado
Corações sujos que me lembram as pedras
Hipérbole da herança maldita, que umedece e goteja em pequenos ventres
Multiplicando a desgraça e mal vivida vida.
Vida que alimenta a feijoada, vida que swinga o carnaval
Vidas de mãos feridas que tocam os instrumentos... Umbanda, candomblé.
Tragam-me a garrafa com o líquido da cultura nordestina
Vou me embriagar desse sincretismo puro e natural.
Noite! Termo abstrato que absorve o sentimento africano
África mãe, áfrica pai, áfrica.
Sinônimo de negro.
Ovaciona o seu hino de raiz
Que a recitação voe até a audição desses espíritos maléficos
Âmago sem cultura.
África! Sou larápio de cena
Que cutuca a sua bonança, com palavras egocêntricas
Venha mãe, dance comigo o batuque atual
Por que nas nossas festas noturnas, a sua entrada é franca
Então ginga, o batuque atual.
Que cada gesto teu, tenha um pedaço de desdém
Venha, pois a noite... Te convida pra dançar.

Ademiro Alves (Sacolinha)


"QUE A PELE ESCURA NÃO SEJA ESCUDO PARA OS COVARDES QUE HABITAM NA SENZALA DO SILÊNCIO. PORQUE NASCER NEGRO É CONSEQUÊNCIA SER É CONSCIÊNCIA."

(Sergio Vaz)

JOÃO CANDIDO (A CHIBATA DA REVOLTA)

JOÃO NASCEU CÃNDIDO, MAS DE CÂNDIDO NÃO TINHA NADA. SEU CORPO TEVE A BENÇÃO DO SUL O CORAÇÃO, SOBRE O MAR AZUL, VEIO DA ÁFRICA. AINDA MOLEQUE DESCOBRIU QUE ERA GALO DE RINHA O NEGRINHO SEM BREQUE SEM VENTO E SEM LEQUE TEVE AOS SEUS PÉS, A MARINHA. NO BARCO DA MORTE ENCONTROU O DESTINO DOS PAIS UM TRONCO NO SUL OUTRO NO NORTE ASSIM ERA O BAHIA E O NAVIO MINAS GERAIS. CHICOTE NO ALMOÇO AÇOITE NA JANTA OS NEGROS NO CALABOUÇO OS BRANCOS EM CIMA DA PRANCHA. MAS NEM TODA DOR É PERENE OU SE VAI COM AS MARÉS A MÃO NEGRA CONSPIROU CONTRA O LEME E A REVOLTA SURGIU DO CONVÉS. AO SOM DAS TROMBETAS MARUJOS DE BAIONETAS TOMARAM OS CASCOS ONDE ERA SERVIDO ÁGUA COM PÃO. E ONDE RUGIA O SOM DO CARRASCO E GRITO DE CAPITÃO, NESSE DIA SE OUVIA A VOZ DO PORÃO. E O RUFAR DOS TAMBORES, DE COURO E DE LATA E DE TODAS AS DORES POR TODAS AS DATAS AO SOM DE CANHÃO OU DOCE SERENATA, VÃO CONTAR A HISTÓRIA DE JOÃO UM NEGRO ALMIRANTE QUE ULTRAJOU A CHIBATA.
(Sergio Vaz)

AQUARELA


CRIANÇAS SÃO NEGRAS BRANCAS ROSAS MARRONS TEM OLHOS VERDES CASTANHOS CLAROS ESCUROS PRETOS AZUIS. POR ISSO, MESMO COM O FUTURO EM PRETO E BARNCO PARA ELAS, AS RUAS, SÃO SEMPRE COLORIDAS. PAREÇA COM O QUE VOCÊ ACREDITA SE NÃO CONSEGUE, MEDITA. (SV) ALMAS LIVRE SENHOR! QUERO TER A COR DA ALMA E DE CORPO PINTADO SORRIR O BRANCO QUE O NEGRO PRODUZ ACORRENTADO NAS SENZALAS QUE O BRANCO CONDUZ. QUERO A COR DA ALMA LEVAR A LUZ PRA ARRANCAR-LHES A CALMA QUANDO FUGIRMOS DA CRUZ E JUNTOS LAVARMOS A ALMA COM A CORAGEM QUE O NEGRO PRODUZ. MORRER... OBSCENO SERIA NA DERIVA DO QUE ME SEDUZ, LIBERDADE.
(Sergio Vaz)

POESIAS EXTRAÍDAS DO LIVRO "A POESIA DOS DEUSES INFERIORES, A BIOGRAFIA POÉTICA DA PERIFERIA, DE SÉRGIO VAZ" APRECIE COM MODERAÇÃO

Racista Cordial

(Elizandra Souza)

Mãos negras lavam roupas
Mãos brancas vestem
Mãos negras esfrega chão
Mãos brancas sujam
Mãos negras abre portas
Mãos brancas fecham
Mãos negras cozinham
Mãos brancas comem
Mãos negras calejam-se
Mãos brancas suavizam-se
Mãos negras apanham
Mãos brancas batem
Mãos negras choram
Mãos brancas gozam
Mãos negras soluçam
Mãos brancas gargalham
Tudo isso por sermos tão democráticos
Brasil, meu país racista cordial!


Poema: Elizandra B. Souza

Literatura Negra...

A sombra negra da memória
Por: Elidiane Costa

Diante da poeira dos séculos Do tempo do cativeiro Do açoite Da negra senzala Surge a lembrança do palco Da escravidão do homem sobre o homem A recordação do primeiro escravo Aquele que daria origem A cerca dos próximos milhões de africanos Que seriam escravizados Por oficialmente trezentos anos Com marcas de ferro quente Mutilações, algemas, gargalheiras Máscaras de ferro, focinheiras...Considerados apenas coisas, mercadorias Contados, pesados ou trocados Eram vendidos como peças No mercado de escravos E os seus senhores buscavam Diante da palmatória, da tortura...Torná-los continuamente mansos e obedientes Por vezes com braços e pés imóveis Atados as correntes em troncos Com espírito e alma de luta Lutavam contra o medo do chicote Medo do capitão, capataz Medo da escuridão do olhar Medo de não enxergar Enxergar o pó da terra O liquido do sangue O vermelho do pulsar O sol a brilhar De onde viemos Tentaram nos contar os livros de história Afogados no tempo, silêncio e cores Através das impressões adquiridas Em um dia no passado Uma lei E uma princesa Treze de maio de mil oitocentos e oitenta e oito Princesa Isabel, um último Brasil E a quebra das correntes Fiquemos nós com a sabedoria Da mãe África, que mesmo Acorrentada ao seqüestro, morte e suicídio e castigo Esteve ao lado da aliança, crença e esperança Em nossa negra memória Não mais carente de luz Estão os nossos rebeldes Memória de negros Hoje longe dos navios negreiros De ser prisioneiro Do cativeiro Somos a descendência De nossos ancestrais A força bruta por um pouco mais Para conseguir seguir em frente De braços abertos Sem as correntes Vencendo barreiras Derrubando preconceitos Continuando o movimento Iniciado por guerreiros Para que a cor dos olhos Sempre supere a cor da pele E a cor vermelha do sangue Determine a igualdade Entre os irmãos Sem servidão, rebelião E escravidão.

12 maio, 2005

Comente ou envie!

Agora você pode comentar qualquer texto diretamente nesta página, ou também pode enviar qualquer texto para um amigo. Veja como:
Para comentar clique no link coments depois post a coments e deixe seu comentário.
Para enviar qualquer texto publicado aqui, clique no link do desenho de um envelope e siga as instruções.
É tudo rápido e fácil.
Qualquer texto enviado através deste site tem que conter o nome da fonte.

Sarau cultural.

A secretaria de cultura de Suzano estará realizando um evento literário intitulado “Pavio da Cultura” onde haverá Música, Literatura, Teatro e exposição literária.
O evento ocorrerá no dia 21 de maio ás 19h:00.
A exposição será aberta neste mesmo dia no hall de entrada do centro cultural e ficará exposta até o dia 27 de maio.
Escritores e poetas interessados em expor seus trabalhos, favor entrar em contato nos seguintes telefones: (11) 47591949 / 47474180 / Falar com Sacolinha.
Obs* Os participantes da 5ª fase do projeto cultural Literatura no Brasil já terão seus trabalhos expostos.
O apoio deste evento é do projeto cultural Literatura no Brasil.


ITAIM PAULISTA

O bairro do Itaim Paulista estará ganhando no mês de junho uma biblioteca comunitária que está sendo desenvolvida pelo escritor e ativista cultural Alessandro Buzo. Para quem quiser fazer alguma doação, seja de livros, computador, Materiais de escritórios ou outros, entrem em contato: (11) 82187512 / alessandrobuzo@terra.com.br

10 maio, 2005

Utilidade social.

O AUTOR NA PRAÇA & FÓRUM PAULISTA DE LUTA ANTIMANICOMIAL:

Realizam evento

Pela Luta Antimanicomial - Centenário de Nise da Silveira
(18 de maio: Dia Nacional da Luta Antimanicomial)

O projeto O AUTOR NA PRAÇA participa pelo 4º ano das atividades da Semana da Luta Antimanicomial - Centenário de Nise da Silveira. No evento haverá exposição de livros e leituras sobre Nise e o tema, participação de integrantes do Fórum Paulista de Luta Antimanicomial e usuários dos CAPS. Austregésilo Carrano Bueno estará autografando a nova edição do livro Canto dos Malditos, depois de 2 anos e meio cassado e retirado das livrarias. Paulo Matos autografa o livro Anchieta 15 anos - A Quarta Revolução Mundial da Psiquiatria. O cartunista Júnior Lopes estará realizando caricaturas, além da presença de escritores, músicos e atores convidados com leituras de textos sobre o tema. Ao final o evento, às 19h, haverá uma nova edição o projeto Curta na Praça, com a exibição de documentários sobre o tema

A Semana da luta Antimanicomial acontece entre os dias 14 e 22 de maio. Toda a programação e as atividades da Semana, podem ser encontradas no sítio www.redepsi.com.br.

SERVIÇO:
O AUTOR NA PRAÇA - Pela Luta Antimanicomial - Centenário de Nise da Slveira
Sábado, 14 de maio, a partir das 14h.
Espaço Plínio Marcos - Feira de Artes da Praça Benedito Calixto - Pinheiros

Informações: 3085 1502 / 9586-5577 - oautornapraca@oautornapraca.com.br

Realização: Edson Lima, Associação dos Amigos da Praça Benedito Calixto & Fórum Paulista de Luta Antimanicomial.

Fórum Paulista de Luta Antimanicomial: antimanicomial-sp@yahoo.com.br / Patrícia Villas-Bôas Tel. 9154-4984


PROGRAMAÇÃO DO EVENTO DIA 14 DE MAIO

Austregésilo Carrano Bueno, autografando uma nova edição do livro O Canto dos Malditos, que originou o filme O Bicho de sete cabeças. Após ter permanecido dois anos e meio cassado e retirado das livrarias, agora liberado.

Paulo Matos, autografando o livro Anchieta 15 anos - A Quarta revolução Mundial da Psiquiatria, obra nacional que reporta o marco inicial da Reforma Psiquiátrica Brasileira em 2001, a intervenção municipal no antigo manicômio da cidade em 1989.

Intervenções Musicais e Leituras de textos sobre Nise da Siveira e o tema o pessoal da Oficina de Leitura e Escrita do Caps Itapeva, coordenada por Juliano Garcia Pessanha.

Presença de Integrantes do Fórum Paulista de Luta Antimanicomial, usuários dos CAPS e familiares com depoimentos.

Projeto "Curta na Praça" - Será realizada uma sessão de curtas metragens retratando a luta antimanicomial. O objetivo é através de uma linguagem que tem um grande apelo com a maior parte da população, estimular reflexões e propor debates em torno da problemática da Luta Antimanicomial. Entre os curtas-metragens que serão exibidos, está uma entrevista com Austragésilo Carrano, autor do livro "Canto dos Malditos", que foi pano de fundo do filme "Bicho de 7 cabeças", e outras produções que abordam de maneira artística, crítica e propositiva o problema de pessoas que estão e/ou estiveram internadas em hospitais manicomiais. Esta atividade é uma realização da Associação de Educadores da USP com o projeto O Autor na Praça e em parceria com o Fórum Paulista de luta Antimanicomial e Associação dos Amigos da Praça Benedito Calixto.

APOIO CULTURAL: Projeto Cultural Literatura no Brasil

09 maio, 2005

Palestra/Curso

A Secretaria de Estado da Cultura em parceria com a Casa das Rosas traz para o público a palestra “Aprenda a resenhar um livro”. Ao conhecer as diversas formas de elaborar uma resenha crítica, o participante poderá aproveitar o projeto Leia Livro – www.leialivro.com.br – que premia os autores de boas sugestões de leitura com livros novos. A aula gratuita, será na terça-feira, 24 de maio, às 19 horas, na Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura.
A palestra tem duração de 2 horas. A aula vai diferenciar dois tópicos principais: a forma acrítica, que se limita ao gostar ou não da obra, e quatro formas críticas: a primeira é a parafrase, em que o enredo é recontado, a segunda é o comentário, que mostra a relação da obra com outros aspectos da realidade ou com outras obras. A terceira é a interpretação, os sentidos ocultos no texto, que devem ser comprovados por elementos do próprio livro. Por fim, a análise, feita com o apoio de aspectos teóricos, mostrando como a obra foi construída.
A aula será ministrada pelo poeta e professor Frederico Barbosa, coordenador de oficinas de criação poética, além de autor de diversos livros, entre eles Nada Feito Nada (Perspectiva, 1993), que ganhou o Prêmio Jabuti. Atualmente dirige a Casa das Rosas.
Para se inscrever, o candidato pode ir à Casa das Rosas de terça a domingo das 10h às 18h, ligar para (11) 3285-6986.
Os colaboradores do site Leia Livro podem se inscrever pelo e-mail fernanda@leialivro.com.br, indicando seu nome e telefone
A Casa das Rosas fica na Av. Paulista, 37 - Bela Vista.

Campanha de identificação!

Atenção, muita atenção. Este blog está recebendo de 30 á 50 visitas por dia. Nos finais de semana e feriados chega a atingir 70 visitas. Como este blog não tem o link “comentário”, não sabemos direito quem são os nossos internautas leitores. Temos apenas o número e a cidade de onde acessam.
Você que acessa este blog, favor enviar um e-mail para nós:
literaturanobrasil@bol.com.br
Faremos promoções neste blog e valorizaremos os nossos leitores. Portanto, não deixe de enviar o seu e-mail.

Atenção para estes sites, blogs e fotologs:

www.quilombhoje.com.br

www.cotaeditorial.cjb.net

www.enraizados.com.br

www.suburbanoconvicto.blogger.com.br

www.otaboense.com.br/sergiovaz

www.abarata.com.br/sites

www.leialivro.com.br

www.leiabrasil.org.br

www.fimdesemananoar.zip.net

www.omalvindo.weblogger.com.br

www.imprensalivre.net

www.wlimonada.hpg.com.br

www.movimentoliterário.com.br

ferrez.blogspot.com

1dasul.blogspot.com

www.usinadaspalavras.com

www.capao.com.br

www.evoluircultural.com.br

07 maio, 2005

Opiniões de quem já leu o livro “Graduado em Marginalidade” do escritor Ademiro Alves (Sacolinha)! Lançamento em breve.

Achei bom por ser tratar de um primeiro livro, quem me dera que meu primeiro fosse assim. Tem futuro o moleque, e é legal ver o crescimento, vi desde o primeiro conto dele e é legal ver a evolução.
(Ferréz, em entrevista para o projeto Literatura no Brasil)

Desde o começo da leitura do teu livro eu estava esperando um outro fim. Fantástico o jogo literário que você fez. Você joga xadrez?
Se não joga deveria jogar, o teu livro é uma jogada de profissional. Sem dúvida um XEQUE MATE.
(Bruno Capozolli. Instrutor técnico literário e Dentista formado pela USP)

O livro do Sacolinha é muito bom, fiquei feliz em fazer o prefacio porque o Sacola é guerreiro, o que ele faz pelo povo de Suzano nenhum prefeito eleito vai fazer, mas quem vai pagar ele não é o contra cheque no fim do mês, quem vai pagar o Sacola é Deus.
(Alessandro Buzo, em entrevista para o projeto Literatura no Brasil)

Li teu "Graduado em Marginalidade". Gosto da pegada do teu texto. Tá lá atragédia de Vander exposta com conhecimento de causa; Tá lá a paisagem daperiferia, tão esquecida dos nossos letrados; gosto muito dos cortescinematográficos (sem frescura ou maiores explicações) de um capítulo prooutro. Tem o tamanho e o tempo certo. É um romance urbano contemporâneo comodeve ser. Curto e grosso.
(Fernando Bonassi, escritor e roteirista)

Coube a mim a parte poética, e contei, no poema, a história de um marginal inspirado no livro do Paulo Coelho "O alquimista". Acho que ficou legal. O livro do Sacola tá muito aguardado e eu quero aproveitar uma caroninha para me promover ás custas dele. he! he!
(Sérgio Vaz, em entrevista para o projeto Literatura no Brasil)

06 maio, 2005

Notícias!!!

Atenção Região Alto Tietê e Leste de São Paulo:
Todo sábado dás 18h:00 ás 20h:00
Programa Enraizados-Ritmo e Poesia.
Apresentação: Alessandro Buzo e Cristiane
Rádio Stúdio FM 97,5

E diretamente de Suzano (Alto Tietê)...
Rádio Comunidade Fm - 103,5

A COOPERIFA E LEIALIVRO APRESENTAM:
SARAU DO DIA DAS MÃES A COOPERIFA, EM PARCERIA COM O SITE LEIALIVRO, VAI PRESENTEAR COM UM LIVRO TODAS AS MÃES QUE COMPARECEREM AO SARAU. OS LIVROS, CERCA DE CEM, FORAM ESCOLHIDOS ESPECIALMENTE PARA ESSAS DEUSAS GOSTAREM E CRIAREM O HÁBITO DA LEITURA. VÁRIOS TÍTULOS E AUTORES, OS POEMAS SERÃO ESCRITOS E RECITADOS EM HOMENAGEM À ESSAS GUERREIRAS DA PERIFERIA. APAREÇAM, SEUS FILHOS DA MÃE!
" DE TODOS OS HINOS ENTOADOS EM LOUVOR ÀS REVOLUÇÕES NOS CAMPOS DE BATALHAS, NENHUM, POR MAIS BELO QUE SEJA TEM A FORÇA DAS CANÇÕES DE NINAR CANTADA NO COLO DAS MÃES."
Sérgio Vaz

LOCAL BAR ZÉ BATIDÃO RUA BARTOLOMEU DOS SANTOS, 797 JD.GUARUJÁ (Z/SUL)
REF: IGREJA DE PIRAPORINHA 'A DIREITA inf. 9333.6508

05 maio, 2005

Grupos...

Grupo de literatura e fanzine, “Rastilho”.
Reuniões todas ás terças-feiras ás 19h:00 no Espaço cultural APAC.
Rua Augusta Carvalho de Morais, 50 – Centro de Suzano – S.P
Informações: 91335960 / lygiacanelas@yahoo.com.br

(APROFAT) Associação dos Professores de Filosofia do Alto Tietê.
Filosofia sem café. Todo último domingo de cada mês, ás 16h:00
Onde: Espaço Cultural APAC.
Rua Augusta Carvalho de Morais, 50 – Centro de Suzano – S.P

Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Sócio Cultural Negro Sim.
Reuniões todo terceiro sábado do mês, ás 16h:00
Local: Sindicato da Construção Civil – Rua Campos Sales, 165 – Centro de Suzano – S.P
Informações: 83252368 / cpdnegrosim@hotmail.com

Sarau da Cooperifa.
Toda quarta-feira, ás 21h:00 no Bar do Zé Batidão.
Piraporinha – Zona Sul – S.PInformações: 41397548

Poema!

As duas faces da vida
(Frnacisco Pereira)

Certo dia eu estava em casa,
Então resolvi bater asas,
Ou seja, sair um pouco,
Eu vi cenas memoráveis
E outras tão lamentáveis
Que quase me deixou louco

E nesta minha saída
Eu vi os contrastes da vida,
Entre os flagelados e os nobres
Eu vi o inevitável
Vi a vida miserável
Que vive o povo pobre

Primeiro eu vi seu Deco,
Que é o dono do boteco
Mais popular da vila,
Mais popular do que ele
É Dequinha, a filha dele,
Olha! E que filha!...

Não que ela seja depravada,
E ande pelas calçadas
Fazendo o que não é certo,
Mas usa uma mini sai...
Não há homem que não sai,
Na rua pra ver de perto

Mas dela não vou falar
Se o seu Deco me pegar...
Nem sei o que acontece...
Mas o que eu vi logo à frente,
Corta o coração da gente,
E isso me entristece.

Passei em uma lanchonete,
E vi uma garçonete
Servindo elegantemente,
Dois boizinhos arrogantes
Por sinal, ignorantes,
Sendo inconvenientes,

Isto é um absurdo,
A princesa servindo os súditos,
Observando, eu pensava...
Boizinhos meia tigela,
Enfrente um Cinderela
Tratando-a como uma escrava,

E a lanchonete, era chique!
Do lado de uma butique,
Que só madame vai lá,
Mas veja o que vos digo,
Enfrente vi um mendigo,
Sentado a mendigar

Logo um pouco adiante,
Aqueles prédios gigantes
Em condomínio fechado,
Para ninguém assaltar,
Segurança particular,
E câmeras por todo lado

Enquanto por outro lado
O trabalhador coitado,
Sofre assalto to dia,
Por falta de segurança
Acontece esta lambança
Dia e noite, noite e dia...

É tudo grandeza pura!
Piscina na cobertura,
E sauna, no subterrâneo,
Na periferia, pra você ver;
Falta água pra beber,
Cozinhar e tomar banho

Continuando minha andança...
Encontrei uma criança
Que voltava da escola,
Mas do outro lado da rua
Eu vi uma seminua
Descalço pedindo esmola

Me chamou muito atenção,
Um parque de diversão
Do lado da marginal,
Muitas crianças sorrindo
Brincando se divertindo
Uma alegria geral

Mas pra fora do portão,
Vi outra situação
Que até me fez chorar,
Uma criança clamando,
Pedindo e implorando,
Pro guarda deixar entrar

Entre os prédios da cidade
Passei por cinco faculdades;
E aqui vai meu desafeto:
“Não consigo entender,
Como é que pode ter
No Brasil, analfabeto”!

Contraste duro e cruel,
Um homem catando papel
Enfrente uma faculdade,
Motivo; não sabe ler,
Até que quis aprender,
Faltou oportunidade

Mas apesar de esquecido,
Pra não se tornar bandido
Enfrenta esta jornada,
E a fama que tem no mundo:
Maconheiro, vagabundo,
Preguiçoso e pingaiada,

“É um enorme desprezo,
E se vacilar vai preso,
Sabe qual a acusação?”
“Além do que foi citado...
Por dar endereço errado,
E não ter uma profissão.”

Mas eu vi coisa pior!
Que além de sentir dó
Sentir um grande desgosto,
Passando por uma favela
Vi crianças que moram nela,
Brincando em água de esgoto

Será que isso está certo,
Esgotos ao céu aberto,
Formando córregos entre barracos?
Amontoados de madeiras
Que mais parecem trincheiras
Como veredas de ratos.

No país do futebol
Eu vi em cada farol,
Crianças pedindo pra sobreviver.
Ser penta campeão do mundo...
É um orgulho profundo!
Mas eu pergunto: porque?

Bate no vidro fechado:
“Seu moço dar um trocado,
Um trocado, por favor,
O meu pai deixou agente,
Minha mãe está doente
Dar um trocado senhor...”

Toda nossa esperança
Está em nossas crianças,
E nem sabemos cuidar,
Passa anos e mais anos
Sai beltrano entra fulano
E nada de melhorar

São senas muito doidas
Estes contrastes da vida
Que muitas vezes passamos...
Como rios que as águas não param,
Cicatrizes que não saram,
Volta e meia nós lembramos...

Revoltado com o que vi
Chegando em casa escrevi,
As duas faces da vida,
Quem sabe estes rabiscos
Acorda os nossos políticos,Pra nossa gente sofrida.

Francisco Pereira Gomes

03 maio, 2005

Sérgio Vaz!

DESARMAMENTO

O desarmamento da população, campanha promovida pelo governo, vem obtendo resultados acima do esperado, apesar dos organizadores não honrarem todos os compromissos de pagamentos pelas armas, conforme o prometido. Até aí nada de novo, não é a 1ª vez que o governo dá calote no povo da periferia. O importante são as armas fora de circulação, e, quer saber mais? Não acho que, quem anda armado mereça qualquer tipo de recompensa, mas, negócios são negócios –quem atrasa pagamentos sabe-, e desarmar corações levaria muito mais tempo, e, com certeza, sairia muito mais caro.
Com menos pólvora no ar e com a alma mais tranqüila queria aproveitar o clima de adeus às armas para propor ou incluir, como queiram, uma campanha cuja as canetas, que representam uma grande ameaça às estruturas de uma sociedade, por serem armas poderosas nas mãos de poderosos, também fossem tiradas de circulação. Também ofereçam recompensa pelas canetas de acordo com sua periculosidade. Elas também escrevem poemas, mas são como revólveres, o que conta é a maldade, não o calibre.
Por ser uma arma refinada e portada por mãos menos calejadas, as canetas (sem generalizar) não parecem tão perigosas, e algumas vítimas (sem generalizar), desesperadas, e que tiveram pouco acesso à elas, preferem portar pistolas, para cometerem os mesmos crimes. Com as mãos cheias de sangue, caçam os que têm as mãos cheias de tinta. Paradoxalmente a caneta chupa o sangue do pobre e o revólver a tinta do rico. Precisamos desarmar o espírito dos dois. Se basta de chinelos, basta de gravatas!
Outro dia na baixada fluminense, cheio de pólvora nos olhos, policiais separaram 29 corpos de suas respectivas almas. Bandidos sem almas torturaram até a morte uma senhora de 80 anos com diversas coronhadas. E um dia desses, uma simples canetada, desviou toda verba destinada às crianças carentes de uma entidade, que por motivos óbvios jamais lerão esse artigo. Como se pode ver , de chinelo ou de gravata, no varejo ou no atacado, tanto faz pra quem é a vítima.
E como prova de boa vontade a população incumbirá de recompensar, do seu próprio bolso, por algumas canetas perigosíssimas que circulam por aí, ex: a do juiz que condenou uma empregada doméstica por furtar um shampoo e um condicionador, e por conta desse crime hediondo está há 11 meses na cadeia, só que, torturada por outras presas, perdeu um olho e agora vê o futuro pela metade; a caneta dos que sabem o que acontecem e não escrevem sobre isso e a caneta dos que mantém longe das grades, todos os patrões que nos querem reféns, sob a mira da lei, neste quarto de despejo chamado periferia.
Se sobrar caneta, escreva PAZ com as duas mãos.

"A minha poesia, apesar de pouca e rala
cabe dentro da tua boca, dentro da tua fala.
Apesar de leve e rouca, chora em silêncio
Mas não se cala. Apesar da língua sem roupa
Não engole papel...
Cospe bala"!


Sérgio Vaz

02 maio, 2005

Direto da Bahia...

Mais um, Brasil
(Por Elidiane Costa)

Verde e Amarelo, Azul e Branco.
Floresta, Ouro, Céu, Paz.
ordem e progresso.
Nasce na fonte, brota da semente;
cresce com a gota da chuva;
que vez por outra cai no sertão;
e une os quadrados mal formados do solo.
Que toca o gado, ferrando, marcando,
identificando, encontrando o pasto,
tirando o leite, produzindo o alimento.
Passa pelos rios, pescando os peixes;
rede, tarrafa, lança;
tantos tipos variados;
é o sustento, distração, comunhão.
E tem remédio de planta:
xarope, ervas, frutos...
É a cura, e está aí.
Chega até a cidade;
cidadão.
E o item fundamental para ser cidadão:
É preciso residir na cidade.
Para falar então sobre cidadão,
é preciso falar sobre cidade,
é preciso chegar à zona urbana.
Fábricas, automóveis, fumaça, poluição.
Guerra, armas, drogas, violência.
Prédios, favela, desigualdade.
Inflação, juros, crescimento.
Partidos, políticos, política;
escolha, votação, imposição.
Quatro anos para virar ladrão.
Virar bandido, traficante de ilusão.
Esperança, Esperança, Esperança.
Virar assaltante, furto com arma na mão.
Mudança, Mudança, Mudança.
E é preciso ter fé em algum deus,
na manifestação de alguma autoridade,
Políticos, Policiais, Líderes, Traficantes, Jesus Cristo...
Capitalismo selvagem,
Onde globalização proporciona delírio ao dragão,
Onde globalização é a nova onda continuando a sua rotineira ronda,
Onde globalização seria a integração.
EUA, ALCA, BRASIL.
Protocolo de Kyoto.
Células tronco.
Quintal, real, dólar;
um, dois, cinco, dez, cinqüenta, cem;
cinco, dez, vinte e cinco, cinqüenta;
um centavo.
Dinheiro seria a solução,
mas é apenas o problema,
é a divisão.
A separação.
Valer o que se tem e não o que se é.
Democracia,
Para mim, para você, para todos nós.
Um grito, de longe, de algum lugar,
Para conseguir alguma coisa, qualquer coisa,
Para conseguir dizer algo.
Fazer-se ouvir, ser escutado,
compreendido, aceito, admirado,
uma voz, um clamor,
para aliviar a dor.
Para chegar-se onde é necessário,
apenas para dizer que,
a educação é o resgate da nação.
Que o saber ler e escrever,
é sempre muito mais do que,
simples representação por letras.
A essência, a pureza. É o entendimento.
Comunicação, relação, informação.
Brasil com S, cresce.
Renasce, persiste e existe.


Elidiane Costa, moradora de Bom Jesus da Lapa - Bahia

Cidinha da Silva em Suzano