14 agosto, 2011

Livro, impresso ou digital?

O  prazer por uma boa leitura e bom livro é inexplicável. Algumas pessoas falam que o mundo digital pode devorar os livros impressos, parece brincadeira.
Às vezes fico pensando. Como seria possível substituir a leitura de um bom livro por uma leitura desconfortável  na tela de um computador, notebook, tablet, etc. imagina trocar o cheiro das paginas de um livro por uma tela tremendo, o barulho das páginas passando, pelo clik do mause ou do teclado. E aqueles que gostam de ler deitado no sofá, na cama quando vai dormir ou até mesmo no banheiro? Teria que levar o computador para estes lugares?
E se faltar energia ou a bateria acabar? No livro comum usamos o marcador de páginas, mas como marcaríamos no mundo digital? Como seria maravilhoso presentear alguém com um livro digital em! Se a pessoa não tiver nada destes componentes  eletrônicos como  faz? E para embrulhar este livro que tática usar? O livro impresso podemos embrulhar, mandar um cartão junto e assinado. Mas no digital, um e-mail e um embrulho animado.
Se perguntarmos para qualquer pessoa, mesmo as que defendem veemente este mundo espetacular dos digitais. Vou te dar um livro de presente como você prefere impresso ou digital? Qual seria a resposta.
Mas o pior de tudo eu fico pensando como seria um lançamento de  livro digital. O gostoso de ir a um lançamento de livro é pegar o autógrafo do autor, tirar uma foto com ele, e todas as vezes que ler o livro e pegar no mesmo ver aquela dedicatória, a  assinatura ficando meio que apagada com o passar do tempo e sempre que olharmos a data reviver cada momento daquele dia, isso sim é maravilhoso.
Mas vamos imaginar como seria um lançamento de um livro digital.  Primeiro que o autor (a) precisa comprar um notebook ou no mínimo um computador para lançar um livro, ou  melhor, para ler seu próprio livro, o que não é necessário no livro impresso.
Imagina no lançamento. Uma pessoa sentada atrás de uma  mesa  com um notebook, aquela fila enorme para comprar o livro, pedir autógrafo, e  tirar foto. O autor digita alguma coisa no notebook, e fala para o leitor,  pronto seu livro já esta no seu e-mail é só ligar seu PC e boa leitura.  Mas o que leitor quer tirar uma foto e o ideal seria que nesta foto aparecesse o grande nome do dia ou da noite o livro, mas onde está o livro que não aparece na foto?
Seria mais ou menos como aquelas fotos que a turma de amigos tiram em roda de bar, um apontando para o outro, neste caso, na hora do clik da câmera o autor apontaria para o notebook, o leitor se tivesse para o tablet ou para o celular indicado que o livro estaria dentro, fala sério que coisa mais sem graça não? E aquele autógrafo digital como seria? Uma assinatura falsa, ou mesmo como fazem os bancos nas assinaturas digitais, códigos, números ou quem sabe uma senha. E ainda acham que o mundo digital vai engolir os livros impressos.
Tem até quem fala que os grandes escritores morreram pobres, mas a pergunta que não quer calar, os grandes escritores morreram pobres, mas como grandes escritores. Mas, qual o grande escritor da era digital que tenha livros publicados apenas digitalmente? Eu devo ser muito por fora deste mundo porque não conheço nenhum.


Francis Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sarau LiteraturaNossa Agosto 2017