11 novembro, 2011

A arte de escrever


Escrever, não apenas dom é técnica.  Não é como fazer salada de frutas, que você escolhe as frutas de sua preferência, corta em pequenos cubos e pronto, é muito mais que isso.
E uma da mais antiga arte.  Começando pelos escritos em pedras, couro,  pergaminhos até chegar ao papel.  Da mesma forma que o pintor passa todo seu sentimento para uma tela assim também é com a escrita ou pelo menos deveria ser. Começa pela escolha da tela, da tinta, do pincel. As tintas são misturadas para criar uma uniformidade de acordo com o que a obra vai pedindo.
É preciso pincelar,  se afastar olhar de perto, de longe, tornar a pincelar da mais uma,  duas, outra e mais outra olhada, até que a tela comece sorri para o criador.
Escrever é isso.  Como falou Graciliano Ramos, é como faz as lavadeiras, lavam a roupa,  ensaboa , põe para quarar, enxágua, bate, espreme, torna a bater,  espreme e depois põe pra secar. Quem se mete a escrever deve fazer desta forma.
Não basta apenas juntar um monte de palavras bonitas e passar para o papel. Não.  Precisa muito mais.
È como fazer a construção de uma casa. Primeiro, prepara o terreno, esquadreja,  faz os Alicerces. Levanta a estrutura. E depois que tudo estiver caprichosamente levantado, em nível e alinhado, vem o acabamento e depois do acabamento ainda vem à limpeza.
Isso é escrever. Vem à  idéia, passa pra o papel. Ler uma, duas, duas, três e outras tantas vezes, fazendo  os cortes, enxaguando como as lavadeiras, e quando tiver enxuto, limpo como a roupa branca no sol, quando ele sorri para você, o acabamento final esta feito.  Aí é presentear o leitor com o que você tem de melhor naquele momento.

Francis Gomes






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cidinha da Silva em Suzano