28 dezembro, 2010

Feliz Você Novo!

Ano Novo. Um ciclo acaba para que outro comece. Ano novo, velhos problemas... Vícios, violência, intolerância, corrupção, pobreza, desigualdade social, preconceitos, impostos... Ano novo. Velhos problemas.

A chegada de um novo ano é cercada pela expectativa de que tudo será melhor, de que conseguiremos ser mais felizes, de que o mundo será menos violento, de que seremos bem sucedidos, de que viveremos um grande amor, de que realizaremos nossos sonhos, de que teremos amigos sinceros, de que dessa vez a água não vai entrar em casa, de que não utilizaremos o cheque especial, de que a passagem de ônibus não vai aumentar e que o salário irá aumentar 100% por cento (para alguns privilegiados que legislam em causa própria isso acontece), mas para a grande maioria da população... Em fim, expressamos nossos desejos mais sinceros de mudanças, como se com a passagem do ano tudo mudasse automaticamente. Mas... Não muda, continuamos os mesmos.

Consumimos o nosso décimo terceiro salário em compras para o amigo secreto, presentes de natal, ceias, roupas novas, telefonemas, cartões, nos reunimos, comemos compulsivamente, estouramos champanhe, nos embriagamos, somos imprudentes na direção e no tesão, temos ressaca no dia seguinte, acordamos fazendo promessas de que não mais beberemos, comeremos ou transaremos de maneira imprudente, tomamos engov, chá de boldo, estomazil, pílula do dia seguinte. Quase sempre tudo se resolve e voltamos para a nossa vida medíocre e individualista.

Trabalhamos. Nos entregamos à rotina, à correria. É preciso ser mestre em logística para conseguirmos encontrar um amigo, termos tempo para alguém querido ou para fazer o que nos faz feliz. Esquecemos uns dos outros até que “o sistema” nos lembre de que É o Dia de se importar. Dia das mães, dos pais, das crianças, do amigo, dos namorados, etc. Então corremos novamente para as lojas, muitas vezes por obrigação do que por um desejo sincero de presentear. E assim seguimos fazendo tudo igual.

A meu ver, para que o ano novo seja realmente novo e melhor, como todos desejamos, não bastam roupas brancas, champanhe, promessas, entregar oferendas, soltar fogos ou pular ondas. É preciso atitude, exercício. Mudanças, sejam elas quais forem, somente acontecem sob impulsão. É preciso provocar o movimento.

Não vou bancar a revolucionária de segunda-feira, nem ser demagoga, ou piegas. Sei dos meus e dos seus limites. Sei que eu, você e o mundo não mudarão no dia 1° de janeiro. Mas sei que podemos, de maneira significativa, contribuir para que o ano seja novo, com pessoas renovadas.

Mesmo diante da sensação de impotência que a grandiosidade dos nossos problemas (sociais e pessoais) nos causa, o descrédito diante dos mandos e desmandos de nossos governantes, é preciso não esmorecer, pois corremos o sério risco de que a situação degringole.

Mas, sem pretensões suicidas de querer mudar “o sistema”, vislumbro a possibilidade de uma vida menos opressora e violenta. Por isso digo: a mudança está em nossas mãos. Pequenas atitudes (de grandes impactos) podem mudar o nosso mundinho e também o mundão lá fora.

A seguir elenco algumas atitudes que, acredito, tem grande potencial transformador. Conto com a sua ajuda para implementar essa lista. Com certeza, em 2012, comemoraremos um FELIZ VOCÊ NOVO.

Algumas atitudes que podem mudar o meu/seu mundinho:

  • Conheça as leis da física:

Dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço.

- Por isso muitos ficam do lado de fora. Não bata no trabalhador ao seu lado no transporte coletivo. Ele é tão vítima quanto você. Se una a ele para reivindicar melhorias.

Ação e reação: Toda ação provoca uma reação de igual intensidade, mesma direção e em sentido contrário.

- Não buzine no transito. Buzina não faz o carro andar, mas pode fazer alguém se irritar e apertar o gatilho.

- Utilize fone de ouvido. Música alta é bastante irritante e as conseqüências podem ser perigosas. Discussão garantida.

- Não fure a fila; xiiii! Xingamento garantido.

- Não dirija embriagado, pois é realmente perigoso.

- Respeite os assentos preferenciais. Um dia você vai precisar dele.

- Respeite a faixa de pedestres, apesar de engraçadinhas, as listrinhas não são para enfeitar a rua;

- Consuma somente quando necessário. Seu bolso e a natureza agradecerão;

- Presenteie alguém fora do Dia de se importar, o efeito é surpreendente;

- Não jogue lixo nas ruas. Com ou sem enchentes esse hábito é horrível além de contribuir para o crescimento das pragas urbanas;

- Não justifique seu erro pelas ações dos outros;

...

Algumas atitudes que podem mudar o mundão:

- Reflita, pondere, questione o seu voto. Ele é um importante instrumento de mudança;

- Procure entender a política, acompanhe, fiscalize, exija seus direitos, para não ser enganado, manipulado;

- Não caia nessa de jeitinho brasileiro. Isso não é genético (apesar de geracional e histórico) e sim um mau habito.

- Não alimente o habito de reclamar ao léu. Direcione sua reclamação aonde esta encontrará uma solução/resposta;

- Utilize os meios de comunicação de forma consciente. Não dissemine boatos, calunias e piadas preconceituosas. Procure conferir as fontes, a veracidade dos fatos antes de repassá-lo a sua lista de contatos;

- Identifique e domine seus preconceitos;

- Não reproduza piadas preconceituosas. Essa é uma maneira velada de disseminar o preconceito e a intolerância;

- Diante de um fato polêmico, na dúvida, não vá com a massa;

...

Acho que é só. Movimento!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Já assistiu?

Matéria da TVT sobre o projeto Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada do escritor Sacolinha.