09 março, 2011

As conseqüências do tempo



Quando eu era criança bem criança
O progresso quase nem tinha,
E eu corria descalço por estradas de terra,
Tomava banho de rio,
Contava carneirinho,
E observava as estrelas.
O tempo passou começou chegar o progresso.
Eu continuei tomando banho de rio,
Correndo descalço  por ruas estreitas de paralelepípedo.
O tempo passou mais, e mais rápido,
Inventaram o chuveiro,
E não deixaram mais eu tombar banho de rio,
Não pude correr mais descalço,
O asfalto quente queimava meu  pé.
O tempo  continuou passando cada vez mais rápido,
O progresso avançou, e eu regredir,
Não corro mais, não tomo mais banho de rio,
Não conto mais carneirinhos, nem observo as estrelas.
As pernas  não deixam a visão ta turva, os braços sem força,
E se eu me lembro bem, nem sei mais contar.


Francis Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Próxima edição