06 março, 2011

Meus amados, chegou o momento que eu preciso divulgar meu livro, e todo meu trabalho como escritor, poeta e cordelista. Por isso digo que  conto com a presença de todos meus amigos, escritores e leitores que gostam e admiram meu trabalho como poeta e cordelisa. continuarei cada dia mais falando do meu livro  de poesias, ECOS DO SILÊNCIO, que será feito o primeiro lançamento dia 09 de Abril no Centro Cultural Francisco Carlos Mouricon 682, centro de Suzano, São Paulo. Mas até lá estarei divulgando o livro e também meus livretos de cordel, que quiser adquirir pode ser diretamente com o poeta, este que vos escreve, pelos contado que estão no blog.
Um pouco do meu primeiro cordel, mas já esta em produção um outro que fala de uma criança que nasceu parecido com um cabrito, aguardem e leiam parte do:

O CAIPIRA FEIO E ACADEMIA I



O caipira feio e a academia



Seu moço eu nasci na roça
Debaixo de uma paioça
Bem no meio do matagar,
Estória que eu ouvi dizer,
Que quando eu fui nascer
Mamãe danou-se a gritar
Gritava numa artura!
Que meu pai Mané Ventura
Ouvia lá do currar.

Este homem se assustou
Deu um pulo e perguntou:
- Menino o que diacho é isso?
O que está acontecendo?
Quem diabo é que está fazendo?
Todo este rebuliço?
O cabra saiu correndo,
Chegou em casa dizendo:
- Mazé; o que peste é isso?

Mais gritando que falando
Se retorcendo e chorando
Minha mãe veio a dizer:
- Homem deixe de besteira,
Vá chamar logo à parteira
Teu filho está pra nascer.
Mas o caboco fez de tudo
Fez careta ficou mudo
E não conseguiu se mexer.

Nesta hora a coisa fedeu,
Minha mãe quase morreu
E meu pai sem se mexer.
Foi tanta gritaria
Que a vizinhança corria
Desesperada pra ver.
A parteira dona Odila
Foi à primeira da fila
A começar a correr.

E quando a mulher chegou
Que meu pai ela avistou
Entrevado sem mexer,
Era minha mãe gritando!
E o homem só espiando
Sem ele nada fazer,
Quase que foi a loucura
Gritando: - Mané Ventura
Vai deixar a mulher morrer?

Começou a correria
Traz pano, traz a bacia,
Bota a água pra ferver.
Outro gritava lá de fora,
-Vala minha Nossa Senhora
O menino não quer nascer
De repente ouviu-se um grito
- Meu Deus que bicho esquisito,
- O que isto venha a ser?

A parteira aperreada
Gritando desesperada,
-Traz a luz pra clarear.
E quando a luz chegou
Que a parteira olhou,
Começou se arrepiar,
Vendo o jeito de dona Odila,
Todo mundo já fez fila,
Correndo pra espiar.

- Meu Deus o que é aquilo?
Só de cabeça mais de quilo!
Mas que bochecha tão cheia!
O beiço todo encarnado,
O olho arregalado
Sem pelo na sobranceia.
Mas nem parece com gente,
E já nasceu com dois dente
Credo em cruz que coisa feia...

Quer ler o restante Deste e muitos outros dos dezesete cordeis do escritor? Entre em contato e adquira os seu.

Abraço a todos.

Francis Gomes

(11)  76154394

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cidinha da Silva em Suzano