12 julho, 2006

Sessão de poesias

Eu te odeio, eu te amo...


Eu te odeio
Não poderia jamais falar:
Eu te amo,
Eu te adoro,
Você é tudo para mim.
Me perdoe
Se algum dia falei isto.
Foi engano,
Um momento de loucura.
Eu te odeio.
Fui insensato ao falar:
Eu te amo.
Todos sabem,
Eu sei, você sabe,
Porque mentir para mim mesmo,
Porque tentar me iludir,
Porque tentar enganar meu coração;
Eu te odeio.
Não Posso dizer:
Eu te amo,
Você é minha vida.
Não te amo.
Eu te odeio.
Por mais que eu queira,
Não consigo falar:
Eu te amo, tente entender.


Francis Gomes

OBS: ler de cima para baixo e depois de baixo para cima.
____________________________
ORAÇÃO DOS DESESPERADOS
Dói no povo a dor do universo
chibata, faca, corte,miséria e morte
sob o olhar irônico
de um Deus de gravata.
Uma dor que tem cores
corre na pele e na boca se cala.
Uma gente livre para o amor,
mas os pés fincados na senzala.
Dor que mata.
Chaga que paralisa o mundo
e sob o olhar de um deus de gravata
doença, fome, esgôto, inferno profundo.
Dor que humilha e alimenta cegueira.
Trevas, violência, tiro no escuro,
pedaços de paus, lar sem muro,
paraíso do mal e castelos de madeiras.
Oh, senhores! Deuses das máquinas,
das teclas, das perdidas almas,
do destino e do coração!
Escuta o homem que nasce das lágrimas,
do suor, do sangue e do pranto.
Escuta este canto,
(que lindo este povo!
quilombo este povo!)
que vem a galope com voz de trovão.
Pois ele se apega nas armas
quando se cansa das páginas
do livro da oração.
Sérgio Vaz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sarau LiteraturaNossa Agosto 2017