Dinha na área

Porque o poema também é vingança
Se esperança morre, a rua
se abre, o caminho
se abre e a sorte
escorrega na carne
e o gosto de chuva
batuca na laje,
e os prédios no longe
arranham-no-sonho,
no céu dessas bocas
caladas

cheinhas de grãos
de imaginação dentária
da piada
que ninguém contou.
Se eu rio
é porque num tenho lágrima.
Mas quando o poema se alastra
é pipoca explodindo na alma!

Dinha!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[A BORBOLETA DE UMA ASA SÓ.].

Resenha sobre Monteiro Lobato