24 abril, 2006

Trajetória Literária

Loyola Brandão vem à Suzano...

Texto (Marcos Cirillo)

Assunto: Trajetória Literária apresenta Ignácio de Loyola Brandão

Suzano, 24 de abril de 2006

A Secretaria de Cultura de Suzano, através da Coordenadoria de Literatura, traz para a cidade um dos maiores escritores do país. Ignácio de Loyola Brandão participa amanhã (25/4), às 20h, do projeto Trajetória Literária, que será realizado no Centro de Educação e Cultura “Francisco Carlos Moriconi”, com entrada gratuita. Entre outros prêmios importantes, Loyola recebeu o Prêmio Jabuti de "Melhor Livro de Contos", em 2000, por "O homem que odiava a segunda-feira".

O projeto tem como objetivo trazer a Suzano grandes nomes da literatura e ainda promover a aproximação do escritor com o seu público. A última edição, realizada em fevereiro, contou com a presença de Moacyr Scliar, membro da Academia Brasileira de Letras e autor de 78 livros.

No início do projeto, Loyola Brandão fará uma explanação sobre a sua vida no meio literário, revelando ao público presente algumas curiosidades, entre elas: como e por quê começou a escrever; de onde veio o interesse pela leitura e quais foram suas influências. Após sua explanação, o público poderá participar fazendo perguntas e observações.

O Autor

Ignácio de Loyola Lopes Brandão nasceu em Araraquara - SP, no dia 31 de julho de 1936, dia de Santo Ignácio de Loyola. Inicia seus estudos na escola primária de D. Cristina Machado, em 1944, onde cursa o primeiro ano. No ano seguinte transfere-se para a escola da professora D. Lourdes de Carvalho. Seu pai, que chegou a publicar histórias em jornais locais e que conseguiu formar uma biblioteca com mais de 500 volumes, o incentivou a ler desde que foi alfabetizado. Fascinado por dicionários, chegou a trocar com seus colegas de classe palavras por bolinhas de gude e figurinhas. Mais tarde, esse fato acabou se transformando no conto "O menino que vendia palavras", primeiro a ser publicado pelo autor.


Obras do autor:

Contos:

Depois do sol, Brasiliense, 1965
Pega ele, Silêncio, Símbolo, 1976
Cadeiras proibidas, Símbolo, 1976
Cabeças de segunda-feira, Codecri, 1983
O homem do furo na mão, Ática, 1987
O homem que odiava segunda-feira, Global, 1999

Romances:

Bebel que a cidade comeu, Brasiliense, 1968
Zero, Brasília/Rio, 1975
Dentes ao sol, Brasília/Rio, 1976
Não verás país nenhum, Codecri, 1981
O beijo não vem da boca, Global, 1985
O ganhador, Glogal, 1987
O anjo do adeus, Global, 1995

Infanto-juvenis:

Cães danados, Belo Horizonte Comunicações, 1977. Reescrito e publicado com o título "O menino que não teve medo do medo", Global, 1995.

O homem que espalhou o deserto, Ground, 1989

Crônicas:

A rua de nomes no ar, Círculo do Livro, 1988
Strip-tease de Gilda, Fundação Memorial da América Latina, 1995
Sonhando com o demônio, Mercado Aberto, 1998

Um comentário:

  1. Que chato eu não ter participado...
    Quantoas vezes ele vai voltar???
    Anota aí minha reinvidicação!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir

Cidinha da Silva em Suzano